Sair das dívidas

14 passos para sair das dívidas e se tornar um empreendedor

Quer empreender mas no momento está em situação complicada? Confira como sair das dívidas e finalmente realizar o sonho de empreender

Alcançar a independência financeira é um dos primeiros passos para quem deseja ser um empreendedor de sucesso.

E dentro dessa questão, há muitos dilemas envolvidos, que podem ser desde não depender de ajuda financeira dos pais até quitar possíveis dívidas já adquiridas.

Dentro desse dilema que envolve sair das dívidas, muitos futuros empreendedores sofrem por não conseguirem quitá-las para ter a possibilidade de investir toda a sua dedicação no empreendimento com mais tranquilidade.

Porém, esses dias de sofrimento estão prestes a acabar!

Existem alguns passos que podem ser imprescindíveis para alcançar a independência financeira, sem dívidas e com segurança para enfrentar os grandes desafios de empreender.

Veja como sair das dívidas!

Listamos, neste artigo, 14 passos para ajudar qualquer pessoa a sair das dívidas e iniciar o seu negócio.

1º Passo – Saia do Lugar

O primeiro passo é colocar em prática o desejo de sair dessa situação, que não está favorável.

E para isso acontecer, a acomodação deve ser apagada do dia a dia de quem se encontra em dívidas, trazendo o sentimento de querer conquistar além do salário que recebe e realizar seus sonhos.

Sair do lugar é refletir em o que pode ser feito, primeiramente, para melhorar sua situação e por em prática o quanto antes.

2º Passo – Comece cortando gastos desnecessários

Eliminar os gastos que são desnecessários é uma das primeiras ações a curto prazo que deve ser executada.

O processo para executar essa ação é simples: basta fazer um balanço geral sobre todos os gastos e identificar quais deles são desnecessários.

Por exemplo, uma reflexão, que pode ser feita é sobre a utilização da TV por assinatura, é se perguntar: “Será que está valendo a pena mesmo, pagar o pacote completo de canais?

Estou aproveitando ele de forma completa? Se eu reduzir meu plano para o pacote anterior, sairei muito prejudicado?

E se eu reduzir meu plano para o anterior do anterior, vai ter alguma diferença?”

3º Passo – Transforme custos variáveis em fixos

Um dos grandes vilões da vida financeira de qualquer pessoa são os custos variáveis, pois não há um controle real sobre eles, e o impacto pode vir em forma de surpresa no fim do mês, com o descobrimento que se gastou mais do que deveria com aquilo.

Um bom plano de ação para combater esse vilão, é transformar esses gastos variáveis em fixos, definindo um limite para eles.

Por exemplo: Esse mês, o gasto planejado para aquisição de novos jogos de vídeo game será de R$60 ou aquela cervejinha com os amigos que acontece toda quarta-feira não pode passar de R$100.

4º Passo – Comece a fazer uma gestão das suas dívidas

Se organizar para entender o andamento de cada dívida adquirida é um passo importante para se livrar delas o quanto antes.

Sendo assim, a dica é fazer uma lista, elaborar um plano de ação para cada uma e sempre fazer as contas do quanto falta para quitá-las de uma vez.

Nesse aspecto, duas dicas importantes são: Buscar renegociar as dívidas sempre que possível e pagar primeiramente as que possuem juros mais altos, pois são elas que consomem o capital financeiro de forma mais rápida!

5º Passo – Faça um planejamento financeiro

Enquanto a gestão das dívidas é feita, é preciso também começar com um mínimo de organização da vida financeira daqui pra frente.

Para isso, recomendamos a elaboração de um planejamento financeiro.

Isso ajuda na projeção de receitas e despesas, seu auxilio vai além da ajuda no controle de gastos, pois ele também ajuda na previsibilidade do quanto será possível economizar no futuro.

Outra vantagem que ele oferece também é a possibilidade de apresentar constantemente a saúde financeira em tempo real.

6º Passo – Registre os seus gastos

De nada adianta elaborar um excelente planejamento financeiro, se a sua execução é falha.

E uma boa maneira de contornar isso é registrar os gastos, seja em uma folha de papel ou em uma planilha em seu computador.

Registrar os gastos também desenvolve o exercício de reflexão sobre aquele gasto, se ele foi relevante ou foi desnecessário, fazendo com que se pense em um plano de economia daquele tipo de gasto no futuro, caso ele tenha sido enquadrado como desnecessário.

7º Passo – Busque o aprendizado constante através da leitura

O hábito da leitura é de grande importância, pois é um exercício mental, diminui o stress, aumenta o seu conhecimento, melhora a memória e concentração, e também auxilia na escrita.

Existem muitos outros benefícios da leitura, mas apenas estes já são excelentes pontos a mais para se obter sucesso não só nas finanças, mas em várias áreas da vida.

O hábito de ler pode ser desenvolvido de forma simples e rápida: começando pela leitura de pequenos textos, até que haja segurança para iniciar a leitura de textos maiores.

Dessa forma, em pouco tempo será notado uma melhoria no desempenho da leitura que ocorrerá de forma gradual.

8º Passo – Crie fundos de reserva financeira

Começar a pensar em fundos de reserva financeira, também é uma boa maneira de combater e até evitar futuras dívidas.

Para isso, a dica é reservar valores que podem ser investidos em aplicações financeiras que trazem retorno a curto, médio e longo prazo.

O fundo de curto prazo deve ser utilizado para eventuais emergências, ou seja, despesas inesperadas que podem aparecer, já o fundo de médio prazo pode ser utilizado justamente para a quitação das dívidas e o fundo de longo prazo pode ser criado com o intuito de juntar um capital financeiro para o futuro e ajudar a cobrir os possíveis gastos no momento de empreender o negócio.

9º Passo – Desenvolva o autocontrole

Este não é um passo muito fácil, pois muitas decisões que tomamos são guidas pela emoção, em especial as decisões que provocaram dívidas.

Sendo assim, tomar cuidado com ofertas de compras, produtos e serviços que no final acabarão não sendo utilizados, é fundamental.

Desenvolver o autocontrole requer grande força de vontade, e está extremamente ligado ao Passo 2, que fala sobre a reflexão que se pode fazer sobre um gasto e a sua possível redução ou corte caso ele seja identificado como desnecessário.

10º Passo – Aproveite o tempo

O tempo é muito valioso e aproveitá-lo é fazer coisas que realmente são benéficas para a vida em todos os sentidos.

Por exemplo: Aproveitar o tempo livre para estudar sobre o mercado em que se deseja empreender.

É importante também tomar cuidado, com o uso em excesso do tempo livre com a utilização de aplicativos, distrações e entretenimentos em geral que provocam o vício e não agregam valor ao dia a dia.

Procurar todos os dias aprender algo novo, seja simples ou não, é importante, mas tentar fazer desta aprendizagem constante um hábito, é valioso para o futuro.

11º Passo – Procure relaxar

Tirar um tempo para relaxar é fundamental para o corpo e, principalmente, para a mente, pois ninguém é de ferro.

Existem diversas formas de se relaxar, tais como ouvir uma “boa música”, ir para um lugar com muitas árvores, menos carros e menos barulho, se divertir com a família e amigos, ir a parques ou praticar diversas outras atividades relaxantes.

O importante é que hajam momentos dedicados somente para isso, afinal recarregar as energias, é sempre importante, principalmente para quem convive com o estresse diário de ter que lidar com suas dívidas.

12º Passo – Crie metas de economia

Geralmente, desafios motivam as pessoas.

Portanto, no contexto do combate às dívidas, desafios podem ser praticados estabelecendo metas que auxiliem na economia financeira.

Essas metas podem ser mensais, semanais e até diárias, o importante é que esse período faça sentido para a realidade em que se aplica e que seja um tempo suficiente a fim de medir o desempenho do atingimento da meta de economia financeira proposta.

Trabalhar com metas pode ser tão divertido, que pode trazer uma certa motivação para a realização desse desafio com sucesso (no caso, a economia financeira).

13º Passo – Reveja seu padrão de vida

Em muitos casos, rever o padrão de vida é algo que pode ser importante no combate às dívidas.

Pois a realidade é que gastos com coisas que podem ser evitadas deverão ser cortados.

Esse passo está bem alinhado com alguns outros anteriores, que focam na redução e controle de custos.

Um primeira reflexão pode ser revendo alguns hábitos que geram gastos altos, como por exemplo, sair para comer em um restaurante todo final de semana.

Além disso, se há o desejo de empreender, deve se ter a consciência que um empreendedor que começa do 0 abdica de muitas coisas, e uma delas pode ser o padrão de vida alto.

14º Passo – Dedique-se

Por fim, sair das dívidas é um desafio.

Abrir um negócio é outro desafio, e é comum surgirem momentos de desanimo com erros que podem vir a ser cometidos, a realidade é que as dificuldades aparecem, mas podem ser superadas com dedicação e esforço.

Com esses passos que apresentamos, sair das dívidas, se torna algo bem mais prático!

Sabemos que fácil não é, mas quando há dedicação e foco em ações práticas (como os passos acima), o resultado aparece a médio e longo prazo e esse deve ser o pensamento, de que com esforço, dedicação e ações práticas, o pesadelo das dívidas irá embora o quanto antes!

Gostou do post? Que tal ler agora sobre Grandes líderes empresariais: os 8 mais incríveis para te inspirar