escolhendo nome da empresa

12 lições para escolher bem o nome da empresa

5 aspectos para levar em consideração na hora de dar nome à sua empresa e iniciar o fortalecimento da marca

O artigo abaixo foi escrito pelo Marcelo Schultes, da Juris Labore, exclusivamente para o Saia do Lugar.

O sonho de todo o empreendedor é criar uma empresa de sucesso. Uma das primeiras ações para chegar lá é justamente conseguir um CNPJ (com a ajuda do Abra Sua PJ, inclusive), constituir uma pessoa jurídica – é nessa fase que se deve escolher um nome para o negócio.

Dar nome a um filho nunca foi uma tarefa fácil, ainda mais quando se trata daquele sonho tão bem planejado, daquela ideia de negócio gestada tão cuidadosamente.

Quais seriam então as perguntas básicas que o futuro empresário precisa fazer-se para criar um bom nome para sua empresa?

Empresas com um nome forte são mais lembradas e mais valorizadas, a importância de ter um bom nome cresce conforme cresce o faturamento e responsabilidade da empresa com seus consumidores.

Pensando em criar uma metodologia prática, sem enrolação, vamos direto ao assunto sobre o que deve ser objeto de atenção nesse nobre e criativo momento:

1. Questões legais ao escolher o nome da empresa

O nome da empresa, via de regra, vai ser também a marca com a qual a empresa vai se comunicar com os clientes e com o mercado. Várias questões legais se colocam, no entanto, no caminho do empreendedor que quer escolher o nome do seu negócio.

Conceitos como “denominação social”, “nome fantasia” e “marca” são facilmente confundidos, porém tem funções diferentes, embora complementares:

  • A denominação social é o nome legal da empresa, e segue regras específicas de acordo com a natureza jurídica da sociedade (Ltda, S/A, Empresário Individual, etc…).
  • O nome fantasia é um título que a empresa usa para designar seu estabelecimento, porém tem pouco poder de garantir exclusividade.
  • A marca é um ativo de propriedade industrial que é concedido pelo Governo Federal através do Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI, que garante o uso exclusivo da marca no território nacional.

Quando for escolher o nome de sua empresa, o empreendedor tem de estar atento à disponibilidade legal de tal nome, seja nas Juntas Comerciais Estaduais, seja em relação às marcas anteriores já registradas, pois via de regra a marca e a denominação social obedecem ao princípio da anterioridade, isto é, quem pedir primeiro leva.

Pesquisar nas Juntas Comerciais e no banco de dados de marcas do INPI é importantíssimo para escolher um bom nome.

De nada adianta escolher um lindo nome, mas que já seja propriedade de outros. Não esqueça de consultar também a disponibilidade dos domínios de internet relacionados ao nome escolhido.

Investir dinheiro na marca dos outros ou em uma marca irregistrável é um erro comum cometido pelos empresários no início de seus empreendimentos.

2. Questões práticas

Faça listas, ter apenas o plano A não é uma boa estratégia para escolher um bom nome.

O ideal é criar uma lista com possíveis nomes e começar a pesquisar, vale a pena ter o plano B, C, D, n…, não economize neurônios nessa etapa.

Para se ter uma ideia, para criar a marca da minha empresa, a Juris Labore, minha lista chegou a ter uns 50 nomes. Exageros à parte, alguns deles eram horríveis e outros inviáveis, mas foi um grande exercício e garantiu a escolha de um bom nome.

Dicionários e livros técnicos ligados à área do negócio podem conter tesouros escondidos, basta saber garimpá-los, bem como línguas antigas ou estrangeiras podem trazer boas ideias (latim, grego, francês, inglês).
Use, mas não abuse.

3. Menos é mais

Essa é uma tendência em relação à escolha de nomes e marcas.

As companhias de telefonia celular são um bom exemplo. Nomes pequenos, fáceis de escrever, fáceis de entender. A grafia deve ser o mais acessível possível para que as pessoas possam entender a marca ao telefone, digitar o nome na internet.

Evitar usar letras mudas ou símbolos extravagantes, palavras estrangeiras com difícil pronúncia, ou pronúncia muito distante da brasileira. Bom senso.

4. A questão semântica

O ideal é que a marca diga algo sobre o negócio e sobre a empresa. O significado da palavra usada no nome deve estar em consonância com os objetivos da empresa, com sua estratégia empresarial.

Um bom exemplo é a marca norte americana de micro-processadores digitais “Intel”. Quem não associaria esse nome com a inteligência e capacidade dos produtos da empresa?

Um bom nome deve ter essa característica, instigar o consumidor. Não é fácil, mas quem disse que o caminho para o sucesso é uma avenida asfaltada morro abaixo nunca esteve em uma bicicleta sem freios.

Ok, esta última analogia foi meio sem sentido, mas um bom nome deve ter um significado coerente com os objetivos do negócio.

Mas vá com cuidado, vale lembrar que uma das restrições ao registro de marcas, é justamente a de nomes meramente descritivos da atividade que a marca se destina a proteger.

5. Abrangência geográfica

Sua empresa vai dominar o mundo, só que para isso, o nome da sua empresa deve ser usável nos mercados a que ela se destina. Se a abrangência de atuação da empresa é nacional, fuja de nomes bairristas, que remetam a um local geográfico específico (sul, norte, nordeste, etc…) como a região, o bairro ou a rua em que está localizado o negócio.

Salvo raras exceções jamais limite geograficamente sua atuação pelo nome. Caso tenha pretensões internacionais, pesquisar a situação do nome e da marca nos principais países objeto de interesse é fundamental.

6. Pense em aonde você quer chegar

É muito importante que você não escolha o nome da sua empresa de forma leviana, ou considerando apenas as suas aspirações mais próximas.

Sabemos que, muitas vezes, acabamos por mudar levemente ou radicalmente o nosso segmento, por adequação ao mercado ou decisão própria, mas quanto mais consolidados forem seus planos, menos chances de errar no nome você tem.

Caso você ainda tenha dúvidas sobre a exatidão de suas ideias para o futuro, evite ser muito específico. Por exemplo, se sua loja de manutenção se chama “Casa do iPhone”, e no futuro você decide trabalhar com aparelhos de outras marcas também, não fica muito coerente, concorda?

Tente visualizar as possibilidades futuras e não restringir tanto o seu nome caso perceba que existem chances de você modificar um pouco sua linha de trabalho.

7. Evite clichês

Sabemos que é difícil ser criativo na hora de pensar em um nome para sua empresa, mas é algo que terá uma importância muito grande, então vale a pena dedicar um esforço maior.

Existem diversos chavões, de rápida associação, que podem parecer interessantes a primeiro momento, mas basta dar uma volta no quarteirão para perceber que eles já estão ultrapassados e desgastados pelo uso excessivo.

Em empresas de tecnologia, nós temos o acréscimo de sufixos e prefixos como: “digi”, “web” e “tech”, que estão presentes em boa parte dos nomes de empresas relacionadas a este setor.

Não que seja proibido utilizá-los, mas é interessante fugir um pouco destes clichês dos quais o mercado já está saturado. Como diria Steve Jobs, fundador da Apple (viu? um bom nome, sem clichês tecnológicos!), “pense diferente”!

8. Use abreviações

Siglas e abreviações são excelentes saídas para determinadas situações. Fáceis de memorizar e de se pronunciar, é uma boa saída para quando o nome é muito longo ou a empresa possui sócios que gostariam de estar presentes no registro da marca.

Caso a sua sigla não esteja disponível para registro, você pode utilizá-la acrescida do seu significado, como, por exemplo: “GM: General Motors”. C

aso não, utilizar apenas a sigla é uma excelente opção, como, por exemplo, no caso da C&A, que é uma junção do nome dos dois irmãos fundadores da empresa, Clemens e August Brenninkmeijer.

9. Faça pesquisas

Uma ótima forma de saber como é o sentimento das pessoas em relação a uma ideia de nome é perguntar a elas! Faça pesquisas com amigos, conhecidos e até mesmo pessoas na rua e percebendo como elas reagem ao nome que você escolheu.

Pergunte para algumas pessoas a que o nome as remete, sem dizer do que se trata o negócio. A outras, dê o nome e o seu segmento e pergunte se elas acham que ele inspira autoridade.

Outra ideia é dizer seu nome junto ao de outros concorrentes e perguntar a qual deles a pessoa iria, apenas sabendo o nome, para resolver determinado problema específico, mencionando o segmento.

Existem diversas formas de fazer pesquisas, e essa é uma excelente maneira de obter visões diferentes a respeito do seu nome e da sua marca. Quanto mais pesquisas você fizer, mais opiniões terá e terá mais chances de analisar estes dados antes de fazer a decisão final.

9. Preste atenção no som e na grafia

É muito importante pensar muito no som e na grafia do seu nome, e pensar nas possibilidades que isso pode proporcionar.

Sabe quando a junção do fim de uma palavra com a palavra seguinte causa uma pronúncia estranha que pode até originar uma palavra de baixo calão? Exemplo “a boca dela”, em cuja pronúncia surge a palavra “cadela”.

A este efeito, damos o nome de cacofonia, e ele, normalmente, é aplicado propositalmente para efeitos cômicos em piadas e pegadinhas.

Para estes fins, ok, mas não acreditamos que você queira um trocadilho de gosto duvidoso no nome de sua empresa, correto?

Para evitar este tipo de situação, escreva e repita o nome de sua empresa várias vezes e de diversas formas, e, muitas vezes, a opinião das outras pessoas (a pesquisa pode ajudar aqui também), pode te ajudar a perceber algo quando você não está atento.

10. Pense na identidade visual por completo

Uma boa dica é já pensar na identidade visual juntamente com o nome, para evitar que você pense em modificar totalmente seu nome devido a uma ideia que surge na criação do seu logo, por exemplo.

Ao já pensar em como sua empresa vai aparecer, como um todo, de uma vez, você evita possíveis retrabalhos e dificuldades de adequação.

É claro que indicamos que você procure profissionais qualificados para trabalhar sua identidade visual para te ajudar nessa questão.

11. Cuidado com palavras e expressões com data de validade

Gírias, memes e palavras da moda, como bordões de novela e programas humorísticos, possuem data de validade.

Pode ser algo muito interessante no começo e fazer bastante sucesso no momento em que aquilo está bombando, mas, a partir do momento em que a febre passar, seu nome ficará datado e sua marca parecerá muito antiquada.

Este risco é ainda maior atualmente, na era digital, visto que as informações chegam e vão embora muito rápido e modas perdem a força à medida em que novas tendências aparecem.

Portanto, evite aquele meme engraçado ou o bordão da novela que tem tudo a ver com seu produto. Em breve, você estará arrependido de ter escolhido este nome.

12. Pense nos endereços na internet

Não basta apenas escolher um nome bacana, que tenha tudo a ver com a sua marca, e que seja adequado ao seu negócio e acabe sendo bem aceito pelo seu público.

É inegável a importância de considerar a forma como ele aparece na internet, especialmente hoje, que já sabemos a importância do marketing digital e já prevemos que seu nome estará presente de diversas formas no meio virtual.

Nomes que utilizam “ç” não podem ser utilizados no endereço de website, portanto, a não ser que seja realmente necessário, evite esta grafia.

Acentuação ou sinais gráficos também não são muito indicados, mesmo que seja um simples til “~”. Pense no quanto é chato ter que falar o seu endereço de e-mail por telefone e ter que soletrar [email protected] como: “juliano arroba coracáo ponto com ponto bê erre”.

Conclusão

Dizia um antigo hit do axé music: “pau que nasce torto, nunca se endireita”, mas esta máxima popular não é verdadeira em relação ao nome da empresa, pelo simples fato de que o nome pode ser mudado a qualquer momento.

Quando se trata de alterar um nome mal escolhido, o quanto antes melhor, pois o princípio da anterioridade de uso tem um papel importante em qualquer disputa por determinada marca ou denominação social.

As atividades de pesquisa da situação legal de um nome ou marca não são simples pois devem levar em conta uma série de fatores. Fugiria ao foco deste artigo esmiuçar cada detalhe, portanto é aconselhável contar com profissionais experientes para ajudar na tarefa.

A Juris Labore trabalha com consultoria e assessoria para escolha de nomes empresariais, bem como com planos de serviços na área de marcas, patentes e domínios de internet.

Então agora é mãos à obra, equilibrando a criatividade e a razão se tem mais chances de construir um bom nome, que dê suporte ao sucesso que sua empresa merece.

No Saia do Lugar você também encontra dicas práticas e criativas para dar nome à sua empresa, e também fez um guia passo a passo sobre como criar um e-commerce!