funcionários fora da empresa

5 dicas e cuidados para quem tem funcionários fora da empresa

5 dicas que podem fazer a diferença e facilitar muito a vida das empresas que possuem funcionários que trabalham fora da empresa

Tirando pouquíssimas exceções, praticamente qualquer empresa hoje tem funcionários trabalhando fora da empresa. Seja um ou dois dias por semana, ou mesmo permanentemente remoto.

Na maioria dos casos estes funcionários são vendedores, que trabalham “na rua”, cada hora conversando com um cliente ou potencial cliente diferente. Porém, existem outros diversos casos, como instaladores e consultores que trabalham praticamente dentro das instalações do cliente; e, por fim, há também aqueles com cargos tradicionais, porém em home-office ou escritório remoto.

Qualquer que seja, a questão aqui é que este funcionário está fora do espaço físico da sua empresa e, por isso, requer cuidados e estruturas diferentes.

Seguem aqui 5 dicas essenciais para que esse funcionário esteja bem amparado e preparado para sua função.

Controle sobre metas e motivação


Trabalhar remotamente significa, muitas vezes, trabalhar fisicamente sozinho e, por isso, ficar distante da equipe e de seus líderes.

Para que o funcionário seja produtivo, consiga entregar as metas prometidas e, acima de tudo, continue motivado, é extremamente necessário um acompanhamento constante não só das atividades dele, mas também que ele saiba do trabalho que seus colegas estão executando.

Assim, reuniões por telefone, vídeo-conferências, relatórios constantes (curtos!) e eventuais encontros presenciais, como happy-hours ou mesmo idas programadas ao escritório podem fazer toda a diferença aqui.

Processo decisório bem definido

Balancear o nível de autonomia para cada funcionário é um ponto bem complexo: se você dá liberdade total, sua empresa pode se comprometer com algo que não consegue entregar ou queimar o filme com o cliente; se você deixa as mãos do funcionário totalmente atadas, o risco é tanto não conseguir fechar nada, quanto desmotivar essa pessoa.

Quando alguém está em contato direto com o cliente, é extremamente necessário que ele tenha autonomia suficiente para negociar, tomar decisões, enfim, avançar o processo – tudo isso dentro de um quadro de parâmetros bem definidos.

Além de preparação do funcionário (e da empresa) para quando a situação sai dessa área controlada, é necessário um trabalho anterior para chegar até esse cliente/negociação mais preparado.

Cláusulas no contrato de trabalho e de serviço com clientes

Como o regime de trabalho é algo definido entre empresa e funcionário, é recomendado que alguns detalhes sobre local e trabalho remoto sejam definidos. Isso não só protege os dois lados contra futuros problemas jurídicos, como também deixa o acordo bem claro em relação a responsabilidades e benefícios diferenciados devido a esse formato.

Paralelamente, no caso do funcionário trabalhar por um período dentro de outra empresa/cliente, é necessário protegê-la contra qualquer vínculo trabalhista com o seu funcionário através dos: 1-contrato de trabalho com sua empresa e, 2-contrato de serviço com esse cliente/parceiro. 

Equipamentos e estrutura

Podem parecer apenas detalhes, mas que na realidade fazem grande diferença no dia a dia de quem trabalha remotamente. Aspectos como:

  • Computador: tem que ser notebook, não desktop, para dar mobilidade;
  • Transporte: é um benefício trabalhista obrigatório, então como entregar? Ajuda de custos com carro? Carro da empresa? Passe de ônibus ilimitado? Uso de táxi?
  • Alimentação: o fato do funcionário estar cada dia em um lugar faz com que ele provavelmente gaste mais do que o normal;
  • Internet: ele precisa usar a internet de casa, então cabe uma ajuda no custeio do valor;
  • Celular: o funcionário precisa de um contato constante com o escritório e, claro, com clientes e parceiros;
  • Tablet: é uma ferramenta ágil para comunicação, trabalhos e principalmente em vendas – é praticamente um item indispensável hoje.

Lembrando que o ideal é, além de disponibilizar essas ferramentas para ajudar o funcionário a executar seus trabalhos, também descrever esses pontos no contrato.

Atenção especial para celular, tablet e computador, deixando claro no contrato que o porte desses objetivos em horários de folga não significam que o funcionário está de sobreaviso.

Veja mais como a lei vê o fornecimento desses itens aqui.

Proteger esses equipamentos

Imaginando o cenário onde você e seu funcionário seguiram os 4 passos anteriores e está todo mundo feliz e contente, seu funcionário com todos os equipamentos que ele precisa – mas aí acidentes acontecem, como danos aos equipamentos ou mesmo roubo.

E aí?

Como a probabilidade desse tipo de dano acontecer é maior, já que este funcionário está sempre em trânsito, recomendamos (e utilizamos aqui) a contratação de seguro para esses equipamentos.

A Porto Seguro tem a cobertura ideal para este caso, que é a apólice coletiva de equipamentos portáteis, para garantir notebooks, smartphones, tablets e outros equipamentos, como máquinas fotográficas.

Para saber mais detalhes, é só enviar um email para [email protected] ou conhecer melhor o produto e fazer a contratação individual para o equipamento por aqui.

Abraços,
Luiz Piovesana (devidamente protegido para o que der e vier)

Obs.: Esse artigo foi patrocinado pela Porto Seguro. Isso significa que os recomendamos como referência, mas não há influência em nossa linha editorial nem nossa opinião.

  • Luiz, gostei bastante do post, especialmente o primeiro ponto. Estou lidando com uma situação parecida e suas ideias irão me ajudar muito! Obrigado!